terça-feira, 18 de outubro de 2011

Quadrado Mágico


O Quadrado Mágico é uma superfície subdividida em casas quadradas, à maneira do tabuleiro de xadrez. Os quadrados são quase sempre ocupados com números determinados, de modo que a soma dos números das linhas horizontal, vertical ou diagonal, resulta sempre a mesma. Possuíam antigamente um significado mágico (como símbolo da harmonia). A partir disso, havia também o quadrado mágico de letras, por exemplo, a fórmula Sator Arepo.

Acredita-se que os sabeístas (adoradores do fogo, do Sol e dos astros), foram quem estabeleceu uma relação entre esses quadrados e os planetas.





O quadrado mágico, Waft, sob a forma mais simples, inclui nove casas, sendo cada lado igual a 15, e os nove primeiros algarismos estão todos neles escrito.

Quadrado Mágico
Capítulo IX
Sobre o Oráculo
1 — O céu é um, a terra é dois, o céu é três, a terra é quatro,
o céu é cinco, a terra é seis, o céu é sete, a terra é oito,
o céu é nove, a terra é dez.
Na forma tradicional de se organizar a distribuição dos textos, esta seção era colocada antes do capítulo X. Ela foi transposta para a atual posição por Ch'êng Tzu, no período Sung, e colocada junto à seção que se segue, a qual, por sua vez, originalmente estava situada após a seção 3. Estas duas seções sem dúvida devem estar juntas; no entanto, têm apenas uma conexão muito vaga com o que virá depois.
Elas contêm especulações numerológicas análogas às existentes na seção intitulada Hung Fan no Livro da História. É provável que representem o começo das ligações entre a numerologia do Livro da História e a doutrina do Yin-Yang do Livro das Mutações, sincretismo que desempenhou um papel tão importante no pensamento chinês durante a dinastia Han. Para que se possa compreender esse sincretismo, sobre o qual aqui só se poderão tecer rápidas considerações, é necessário nos reportarmos ao diagrama conhecido como Ho T"u, o Mapa do Rio Amarelo que, segundo a tradição, teve sua origem com Fu Hsi. Esse mapa mostra o desenvolvimento a partir dos números pares e ímpares dos cinco estados da mutação (Wu Hsing, em geral erroneamente chamados "elementos").



Ho T"u, o Mapa do Rio Amarelo
A água, ao norte, originou-se da unidade do céu, cujo complemento é o seis da terra. O fogo, ao sul, surgiu do dois da terra, que tem seu complemento no sete do céu. A madeira, a leste, originou-se do três do céu, que encontra seu complemento no oito da terra. O metal, a oeste, surgiu do quatro da terra, cujo complemento é o nove do céu. Ao centro, a terra (T'u, o solo, a substância da terra, distinta de Ti, a terra enquanto corpo celeste) originou-se do cinco do céu, que tem seu complemento no dez da terra.
O outro diagrama, no qual os números voltam a se separar e combinam-se com os oito trigramas, é do Lo Shu (Escritura do Rio Lo).
Lo Shu (Escritura do Rio Lo)
   

2 — Há cinco números para o céu. Para a terra há também cinco números.
Quando eles são distribuídos entre as cinco posições, cada um encontra
seu complemento. A soma dos números do céu é vinte e cinco.
A soma dos números da terra é trinta. A soma total dos números do céu
e da terra é cinqüenta e cinco. É isso que complementa as mutações
e as transformações, e o que põe em movimento os demônios e os deuses.
As notas anteriores esclarecem este parágrafo satisfatoriamente, não sendo necessárias outras explicações. Assim como o parágrafo anterior, este também pertence sem dúvida a um período mais recente.
  
3 - O número total é cinqüenta. Desses cinqüenta, quarenta e nove são
utilizados, sendo divididos em duas partes para representar as forças
primordiais. A seguir separa-se um para representar os três poderes.
Conta-se de quatro em quatro para representar as estações. Coloca-se o
restante de lado, para representar o mês adicional17. Em cada cinco anos
há dois meses adicionais, por isso repete-se
esta última operação, obtendo-se, assim, o total.

Diz a lenda que o Imperador Yu, que viveu por volta de 3000 a C, viu uma tartaruga mágica saindo de um rio. Ele observou o padrão de quadrados, junto com as linhas e cores, nas costas da criatura e decidiu que essa seria a base do Quadrado Mágico. É isso que forma o pano de fundo da Shu Lo e Feng Shui. Outras fontes sugerem que as sete estrelas da constelação de Ursa, além da vizinha Estrela Polar e Vega, formam a base dessas adivinhações e também as primeiras formas de Astrologia Chinesa. Sabe-se que o estudo das estrelas foi proibido em algum momento da história chinesa, que é por isso que nunca se desenvolveu da mesma forma como fez na Índia ou no mundo ocidental. Apesar desta proibição, os monges budistas foram autorizados a praticar o I Ching e o Shu Lo, e a combinação destas técnicas tornaram-se eventualmente o que conhecemos como Astrologia Chinesa.
Uma forma primitiva de adivinhação envolvidas queima de cascos de tartaruga em um incêndio e lendo as rachaduras resultantes que se formou quando as conchas tinham esfriado. Imperador Fu Hsi foi creditado com anotar idéias de engenharia agrícola e início civil, especialmente aqueles que estão conectados aos rios. A ele também foi creditado com trazer ética e de conduta civilizada para o mundo. Seus textos foram traduzidos para o éticos versos facilmente lembrada e alguns desses tornou-se absorvido pelo I Ching e outros escritos.





Nenhum comentário:

Postar um comentário